NÃO SAIBA A TUA MÃO ESQUERDA O QUE FAZ A DIREITA.

CAP.XIII DO EVANGELHO SEG. O ESPÍRITISMO

Fazer o bem sem ostentação.

Os infortúnios ocultos.

O óbolo da viúva.

Convite aos pobres e estropiados.

Não aguardar retribuição.

Instrução dos Espíritos.

Caridade material e caridade espiritual.

A beneficência.

A piedade.

Os órfãos.

Benefícios pagos com a ingratidão.

Beneficência exclusiva.

FAZER O BEM SEM OSTENTAÇÃO.

          (Manso como as pombas, mas cauteloso como as serpentes)

          "Guardai-vos, não façais as boas obras diante dos homens, com o fim de serdes visto por eles, de outro modo não recebereis a recompensa de vosso Pai que está nos Céus.

          Quando pois derdes esmolas, não façais tocar a trombeta diante de vós, como praticam os hipócritas nas sinagogas, e nas ruas, para serem

          Honrados dos homens, em verdade vos digo, que eles já receberam a sua recompensa.

          Mas quando derdes esmolas, que não saiba a vossa mão esquerda o que faz a direita. Para que a esmola fique escondida, e vosso Pai que vê o que o que vós fazei em secreto, vos pagará" (MATEUS)

          "Jesus tendo descido do monte, uma grande multidão de povo o seguiu. Eis que veio um leproso o adorou, dizendo: Se queres Senhor! Bem me podes limpar.- E Jesus estendendo a mão, tocou-o dizendo: Pois eu quero, fique limpo. E logo ficou limpa toda a sua lepra.

          Disse-lhe Jesus: Vê, não o digas a ninguém, mais vai mostrar-te ao sacerdote, e fase a oferta que ordenou Moisés, para lhes servir de testemunho a eles." (MATEUS)

 

COMENTÁRIOS DE ALLAN KARDEC

          Há grande mérito fazer o bem sem ostentação ainda mais meritório ocultar a mão que dá, é sinal incontestável de grande superioridade moral, porque para se ver as coisas mais do alto do que o vulgo, é necessário abstrair da vida presente e identificar-se com a vida futura.

          Que não saiba a mão esquerda, o que faz a direita, é uma figura que caracteriza admiravelmente a beneficência modesta.

          O beneficio sem ostentação tem duplo mérito, porque alem de ser caridade moral, modera a susceptibilidade do beneficiário, fá-lo aceitar o beneficio sem sofrer o seu amor próprio.

          A verdadeira caridade é delicada e engenhosa para dissimular o beneficio.

          Ao contrário a caridade orgulhosa, confunde o beneficiado, magoando-o fazendo-o sofrer.

 

OS INFORTUNIOS OCULTOS

          Nas grandes calamidades a Caridade se comove e vêem-se os rasgos de generosidade para reparar os desastres, mas ao lado dessas desgraças coletivas, milhares de desgraças particulares de pessoas jazem sem uma queixa. São os infortúnios discretos e ocultos, que a verdadeira generosidade sabe descobrir sem esperar que venham pedir auxilio.

          Quem é aquela senhora de maneiras finas, mas vestida com simplicidade, seguida de uma jovem trajada com a mesma modéstia?

          Entrou num prédio miserável, onde sem dúvida é conhecida, porque ao entrar a saúdam com respeito. Onde vai? Sobe a água-furtada, onde numa cama, jaz uma mãe de família, rodeada de filhos pequenos, à sua chegada a alegria ilumina aqueles rostos emagrecidos. É que vai acalmar as dores, leva o necessário, temperado com doces e consolas palavras, que faz aceita, o bem sem acanhamento, porque aqueles infelizes, não são profissionais da mendicância, O Pai está no hospital e, enquanto isso, a pobre mulher enfrenta muitas necessidades. Graças a ela, essas pobres crianças não sofrem frio nem fome. Irão a escola agasalhadas e não faltara no seio materno o leite para a pequenina. Dali vai ao hospital, levar conforto ao Pai, tranqüilizando-o quanto à sorte da família.

          Na porta da rua espera-a um carro, verdadeiro armazém de tudo quanto leva aos seus protegidos. Visitados com freqüência.

          Não indaga de suas crenças, nem de opinião, porque para ela todos os homens são irmãos e filhos de Deus Terminado o passeio diz: comecei bem o meu dia. Como se chama? Onde vive ? ninguém o sabe.

          Para os infelizes é o anjo da consolação. A noite um conserto de bênçãos por ela se eleva ao Criador: Católicos, judeus, Protestantes, todos a bendizem.

          Por que um traje tão simples? Para não ofender a miséria com seu luxo. Pôr que se faz acompanhar pela filha mocinha? Para ensinar-lhe a prática da beneficência.- A mãe diz: Aprende a fazer coisas úteis, como roupinhas para crianças. E assim darás algo que te pertence.

          Eis como essa mãe verdadeiramente Cristã, prepara a sua filha de acordo com a pratica das virtudes ensinadas por Jesus.

          É espírita? Que importa se não for? Para a sociedade é a mulher do mundo Entretanto ignoram o que faz, porque não busca outra aprovação além de Deus e de sua consciência.

          Um dia foi reconhecida, por uma de suas protegidas. " SILENCIO"! Ordenou esta," Não o digas a ninguém " Assim falava Jesus.

 

O ÓBULO DA VIÚVA

          E estando Jesus assentado defronte ao Gasofilácio (local onde eram depositadas as esmolas) observava ela de que modo deitavam no cofre as esmolas. E tendo chegado uma pobre viúva, lançou duas pequenas, que importavam um real.

          Convocando Jesus os discípulos, lhes disse : Na verdade vos digo, que mis deitou esta pobre viúva, que todos os outros que depositaram no gasofilácio.

          Porque todos os outros deram o que tinham de sua abundância, porem esta deitou de da sua mesma indigência, tudo o que tinha, e tudo o que lhe restava para seu sustento. (MARCOS E LUCAS)

 

COMENTÁRIOS DE ALLAN KARDEC

          Muitos lamentam a falta de recursos para fazerem o bem que gostariam de fazer, e, dizem que se ambicionam riquezas é para lhe dar a boa aplicação. Mas é possível garantir sempre absoluto desinteresse?

          O óbolo do pobre que dá com a própria privação, pesa mais na balança de Deus, que o ouro do rico, que dá sem privar-se de nada.

          Além disso, não é só com dinheiro que se pode enxugar as lágrimas, e não devemos ficar inativos quando não o possuímos.

          Encontra-se para fazer o bem, mil maneiras de ser útil. Não há ninguém, que não possa prestar um serviço, dar um conselho, aliviar um sofrimento.

 

CONVITE AOS POBRES E ESTROPIADOS

          Dizia ainda: Quando deres um jantar ou alguma ceia, não chames nem teus amigos nem teus irmãos nem teus parentes nem teus vizinhos que forem ricos, para que não te aconteça eu também eles te convidem por sua vez, e te paguem com isso.

          Mas quando deres algum banquete, convida os pobres, os aleijados, os cegos, os coxos e serás bem-aventurado, porque esses não tem como te retribuir, mas será isso retribuído na ressurreição dos justos. Uma forma de convite é estender as mãos a muitas crianças que precisam de conhecer o Evangelho de Jesus, e contar-lhes as parábolas, por pequenas histórias. (LUCAS)

 

COMENTÁRIOS DE ALLAN KARDEC

          Por banquete não se deve entender a comida, propriamente dita, mas a participação na abundância que desfrutamos. Receber os amigos e parentes menos felizes (mais pobres,) (quem não os tem) é atender a caridade Cristã, uma vês que, são os nossos próximos mais de perto.

          O bem não deve ser feito na expectativa de retribuição, mas apenas pelo prazer de sua prática. Se amassemos uns aos outros, não haveria na Terra pobreza, porque o supérfluo da mesa dos ricos, alimentaria a muitos pobres e não mais seriam vistas, nos bairros sombrios, onde habitei na última encarnação, mulheres miseráveis arrastando consigo crianças necessitadas de tudo.

          Amai ao vosso próximo, porque agoira sabeis que o infeliz, que repelis, é talvez um irmão, um pai, um amigo, que afastais de vós. Repelindo um pobre, talvez repelis a um Espírito que vos foi caro em outra vida.

          Voltei a ver aqui um dos pobres de nossa Terra a quem por minha ventura, tive ocasião de favorecer algumas vezes, agoira a ele eu imploro auxilio.

          A Caridade é feita de muitas maneiras. Podeis faze-la por pensamento, palavras e obras, e quem a praticar será feliz. Deus na sua infinita misericórdia, pôs no fundo de nossos corações uma sentinela vigilante chamada consciência. Escutai-a que vos dará bons conselhos.

 

A BENEFICÊNCIA

          A beneficência, amigos meus vos dará neste mundo (espiritual) os mais puros e suaves prazeres, os deleites do coração não perturbados pelo remorso ou pela indiferença.

          Não há festas no mundo comparadas a essas alegrias, quando levais a calma ás famílias pobres, que da vida apenas conhecem sofrimentos e amarguras, a esses infelizes e a seus filhos, ignorando o porque do viver tão amargo.

          

          Sim meus irmãos. Quantos velhinhos sem asilos, sem mãos amigas, quantas crianças sem proteção, quantas misérias a consolar.

          Sede bons e caridosos. Ai estão as chaves do Céu. (ADOLFO BISPO DE ALGER E SÃO VICENTE DE PAULA)

          Fiz esta manhã o meu passeio habitual, e com o coração cheio de tristeza venho vos dizer ó meus amigos, quantas misérias, quantas lágrimas e quanto tereis que fazer para enxugar a todas!

          Em vão, procurei consolar as pobres mães.

          Disse-lhes ao ouvido: ânimo! Tendes paciência! Deus está aqui, sois suas amadas, sois suas eleitas. Parecia que me ouviam, pois volviam para min seus grandes olhos, depois eu lia em seus pobres rostos que o corpo, esse tirano do Espírito, tinha fome e que se minhas palavras lhes serenava um pouco o coração, não lhes enchia o estômago.

          E então uma pobre mãe ainda jovem e que amamentava o filho, tomou-o nos braços e o levantou, como se rogasse proteção para aquele pobre e pequenino ser que de seu seio, apenas tirava apenas um alimento insuficiente.

          Noutro lugar meus amigos, vi pobres velhos sem trabalho e sem asilo, presos de todo os sofrimento da necessidade, envergonhados de sua miséria, sem coragem, pois nunca mendigaram a implorar a piedade dos viandantes.

          Com o coração tocado pela compaixão eu, que nada tenho, pus-me a mendigar para eles. Vou a toda parte, estimulando a beneficência e inspirando bons sentimentos aos corações generosos e compassivos. Pôr isso hoje venho, amigos e vos digo: Há por ai além de infelizes, cuja mesa está sem pão e lareira sem lume e cama sem agasalho. Não vos digo o que deveis fazer: deixo a iniciativa aos vossos corações. (CHARITAS, martirizada em Roma - LYON 1861)

          Muitas vezes vejo na semana uma reunião feminina. Há senhoras de todas as idades. Que fazem? Trabalham apressadas, seus dedos são ágeis, vede como seus rostos estão radiantes, e como seus corações batem em unidos compassos.

          Mas qual o objetivo? Vêem que se aproxima o inverno rude para os pobres. Principalmente para as mães que choram pelos seus filhos que durante este inverno terão frio e fome.

          Mas Deus inspirou a outras senhoras mais afortunadas a se reunirem e confeccionar roupas e agasalhos para oferecê-las aos necessitados.

          A mulher rica e mais feliz, pode consagrar algumas horas em trabalhos úteis aos seus semelhantes.

          Queridos amigos, Ouço-vos dizer "Sou pobre, não posso fazer caridade"- Vejo entretanto que vos falta indulgência para com os vossos semelhantes. Nada lhes perdoais e vos constituem juizes, por vezes severos. Acaso não é a indulgência uma forma de caridade?

          E tu, pobre trabalhadora, que não tens supérfluo, mas que no amor ao teus irmãos queres dar um pouco do que tendes, dá umas horas do teu tempo, que é o teu único tesouro, confeccionando trabalhos manuais e vende o produto e poderás ajudar e aliviar os teus irmãos.

          Poetas, literatos, pintores e escultores, artistas de toda a classe, que vossa inteligência venha também em auxilio de vossos irmãos.

          Todos vós podeis dar, a qualquer classe que pertençais, tendes alguma coisa que pode ser distribuída a quem falta o necessário.

 

A PIEDADE

          A PIEDADE é a virtude que mais vos aproxima dos anjos, é a irmã da caridade que vos conduz a Deus. Deixai que vossos corações se enterneça com o aspecto das misérias e sofrimentos de vossos semelhantes. Vossas lágrimas são bálsamo que derramais sobre suas feridas.

          A piedade bem sentida é amor, o amor é devotamento, devotamento é esquecimento de si mesmo, é abnegação em favor do infeliz, é a virtude por excelência.

          Jamais sufoqueis em vossos corações essa emoção celeste. Temei ficar indiferentes quando puderdes ser úteis. MICHEL BORDEAUX 1862)

 

OS ÓRFÃOS

          Meus irmãos, amai os órfãos. Se soubésseis quão triste é estar só e abandonado? Principalmente em tenra idade. Deus permite que haja órfãos para vos lhes induzir a servirdes de Pais.

          Que divina Caridade a de ajudar uma criatura abandonada, a de impedir que passe frio e fome.

          A de dirigir sua alma, a fim de que não se perca no vicio. Aquele que estenda a mão á criança abandonada é agradável a Deus, porque compreende e pratica a sua Lei. Pensai que muitas vezes a criança que socorreis vos foi amada em passada encarnação.

          Assim pois irmãos, todo ser que sofre é vosso irmão e tem direito a vossa caridade.(Um Espírito Ptotetor, Paris, 1860)

          Por que choras tu anjinho?

          Tenho fome e tenho frio.

          E só por este caminho.

          Como a ave que caiu ainda sem plumas do ninho.

          E tua mãe já não vive?

          Nunca a vi em minha vida.

          Andei sempre assim perdida,

          E mãe por certo não tive.

          Es mais feliz do que eu,

          Que tive mãe e morreu.

 

FAVORES PAGOS COM A INGRATIDÃO

          Pergunta: Que pensar das pessoas que, que havendo recebido ingratidão em paga de benefícios, já não fazem o bem por medo de encontrar ingratos?

          Resposta: Essas pessoas tem mais egoísmo e orgulho, porque fazer o bem apenas para receber demonstração de reconhecimento, é não faze-lo com desinteresse, e só o bem desinteressado é agradável a Deus.

          Algumas vezes Deus permite que sejais pagos com a ingratidão a fim de provar vossa perseverança em fazer o bem.

          Por outro lado, não sabeis se o favor esquecido no momento, dará frutos mais tarde. Antes tende certeza de que é uma semente que germinará a seu tempo. Infelizmente só vedes o presente e trabalhais para vós e não para os outros.

          As boas obras acabam por abrandar os corações mais endurecidos. Podem ser esquecidas aqui na Terra, mas quando o Espírito estiver desembaraçado do véu da carne, lembrasse-a delas e procurará repará-las.

 

BENEFICIÊNCIA EXCLUSIVA.

          Pergunta: É bem entendida a beneficência quando se limita as pessoas dos mesmos princípios, da mesma crença ou do mesmo partido?

          Resposta: Não. É mister sobretudo abolir o Espírito de seita ou de partido, porque todos os homens são irmãos... O verdadeiro Cristão só vê irmãos em seus semelhantes. Não indaga de sua crença, porque se for um inimigo, da Religião, será este um meio de faze-la amada, repelindo-o, faria com que a odiasse. (SÃO LUIZ PARIS 1860)

Voltar